segunda-feira, 27 de julho de 2009

Chavez e a criação de um Narco Estado


Cresce o perigo de surgimento de um narcoestado na Venezuela. Relatório do Congresso dos Estados Unidos, divulgado semana passada, adverte que a corrupção no governo e no Exército venezuelanos proporciona um ambiente permissivo para os traficantes de drogas, e vem gerando significativo aumento no volume de exportações de entorpecentes para os EUA. É imperioso que as autoridades brasileiras fiquem atentas a todas as implicações do relatório norte-americano sobre o país vizinho.

O documento afirma que a nação governada por Hugo Chávez vem se transformando no principal centro de distribuição de cocaína produzida na Colômbia, e no maior porto de embarque do produto com destino aos Estados Unidos e à Espanha. O texto é explícito nos detalhes: "Segundo integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) interrogados pelo governo colombiano, autoridades venezuelanas – incluindo membros da Guarda Nacional – vêm recebendo suborno para facilitar a entrada de cocaína a partir da fronteira com a Colômbia". Depois de entrar na Venezuela, a cocaína sai do país a bordo de aviões que decolam e aterrissam em centenas de aeroportos clandestinos, relata o documento, acrescentando que funcionários de portos, aeroportos e aduanas também fazem parte do esquema de propinas.

De 2004 até 2007, o volume de cocaína produzida na Colômbia e que saiu da Venezuela mais que quadruplicou, passando de 60 toneladas por ano para 260. Essa cifra representa, segundo o documento, 17% de toda a cocaína produzida no mundo em 2007. Fica claro que o cerco ao narcotráfico na Colômbia – com auxílio financeiro, político e militar de Washington – acabou por forçar a mudança dos negócios ilícitos para a Venezuela. "Se grupos armados continuarem a encontrar um porto seguro no território venezuelano e a receber o apoio da Venezuela, a atmosfera permissiva e a falta de cooperação deverão afetar de maneira adversa os ganhos conquistados na Colômbia desde 2000", afirma o texto.

Como era de se esperar, o presidente Chávez condenou o documento, descrevendo-o como "a mais nova mentira" dos Estados Unidos. Seu ministro do Interior, Tarek El Aissami, ressaltou que a política antidrogas ali instalada colocou o país entre os que mais apreendem entorpecentes e que mais cuidam da prevenção. O fato é que a ajuda americana no combate às drogas na Venezuela diminuiu bastante desde 2005, depois que Chávez acusou autoridades americanas de espionagem. Alguns oficiais da Agência Antidrogas dos EUA (a DEA, na sigla em inglês) continuam trabalhando na Venezuela, mas, segundo o relatório, as reuniões com autoridades venezuelanas "são geralmente para manter a comunicação, mais que para discutir assuntos substanciais de cooperação".

É de suma importância que o governo brasileiro trate o relatório americano com toda a relevância que este merece. Além de compartilhar imensa fronteira com o país analisado, o Brasil e outras nações mantêm interesses estratégicos na região. Nos anos 80, Washington emitiu documentos semelhantes sobre as drogas na Colômbia. Não tardou para enviar reforços militares para lá. Com a mira agora travada em Caracas, o assunto merece status de segurança nacional.


Jornal do Brasil, 27/7/09

Portal Clipping


Coloquei na íntegra, afinal é mais um diferente jornal falando sobre o mesmo assunto.
Será que até que enfim o Faraó¹³ vai ter que falar de Chavez?
Já posso imaginar o imperador¹³ falando, com sua finesse e eloquencia de orador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário