terça-feira, 21 de julho de 2009

Honduras: empresários pedem mais impostos pela democracia.


(Do Coturno Noturno)
“Estamos aqui para respaldar a valentia das ações tomadas pelo novo Governo, para respaldar esta posição de que a Lei, a Constituição e a liberdade, este país não vai negociar nunca...É imperativo sair da ALBA já, para que mais adiante não venhamos a ter problemas... Se chegam pressões do exterior, conte com a empresa privada, já lhe dissemos que vamos manter os preços estáveis; além disso, vamos reduzir alguns preços e se for necessário, cobre mais impostos dos mais ricos, da gente com maiores meios. Propomos um imposto adicional de 10% sobre o ISR das empresas que tenham lucros; e mais 20% sobre a importação de artigos supérfluos."

Adolfo Facussé, Presidente da Associação das Indústrias de Honduras, no dia de ontem, em encontro de centenas de empresários e de lideranças empresariais na Casa Presidencial, onde foram levar o apoio do setor produtivo ao governo que sucedeu constitucionalmente ao golpista Manuel Zelaya.

Um único comentário meu: Honduras, que luta pela sua democracia, possui 60% da sua população abaixo da linha da pobreza. É contra este povo que se levantam Lula e o socialismo bolivariano, Obama e a comunidade européia, todos cortando os programas de auxílio tão necessários aquele país. Os empresários e a sociedade civil está se organizando por um SOS DEMOCRACIA.
Percebe-se que Zelaya é "persona non grata" em Honduras, e que sua oposição vem finaciada pelos bolivarianos, FARC, e outra coisas que já nos acostumamos a ver no Foro de São Paulo.
Muito provável que impostos de muitos países latinos financiam estas empreitadas Neoditadoras.
Há um movimento de mobilização no Brasil, para saber click AQUI

Nenhum comentário:

Postar um comentário