quinta-feira, 27 de agosto de 2009

APOSENTAR, no Brasil é padecer sem cura

Porto Alegre, 27 de Agosto de 2009
-Qualquer semelhança é a mais pura verdade.
-Aposentei-me em 1993.
Paguei 25 anos sobre 20 salários mínimos, aposentei-me com 100% e já no primeiro mês recebia 7,5 salários mínimos.
A justiça mantêm se fiel a constituição, não há como reclamar aposentadorias.
O fato em si, é que hoje recebo 25% do que recebia em 1993.
Nosso congresso apático ao nosso sofrimento, não vê que em 10 anos vamos receber 10% dos valores iniciais de nossas pensões.
Agora fomos vendidos por associações que não podemos pagar, por associações que venderam projetos melhores, para locupletarem seus asseclas.
Não fomos vendidos por dinares, mas por 10% de receita.
A previdência vai continuar financiando a saúde, o superávit primário, e ses funcionários públicos federais, suas pensões integrais e seus planos de saúde UNIMED.
Poucos sabem que a UNIMED é e entre outros planos de saúde possuidora de contratos milionários com o governo e suas estatais.

Somos 25 milhões de votos, podemos mudar o congresso, o governo "democraturático" (neologismo meu) que aí se encontra, porem só fazemos respaldar nossa mazelas.
Nosso padecer têm cura, basta assumir-mos nossa posição de trabalhadores que desembolsaram parte de seus parcos salários por uma aposentadoria justa e um sistema de saúde digno.
O dinheiro da previdência é de seus pensionistas, não é para sustentar o luxo de seus prédios e os altos salários de seus funcionários.
Não é pra dar sustentação a planos econômicos, e não e´para ser usado na saúde pública que é um direito constitucional.
Aposentados desse Brasil, temos 20% dos votos legítimos desse país.
Saber usá-los é mandar todos os Judas, de volta para o inferno de onde nunca deveriam ter saído.
Eis, que 2010 está aí, lembrem-se de todos, salvem-se para que nossos filhos e netos, possam desfrutar de aposentadorias dignas.
A juventude esquece-se que um dia tornar-se-ão os crucificados da hora.
Porém, já será tarde.
Bom dia

2 comentários:

  1. Como aposentado, sentimos o mesmo problema.

    O governo Lula, tal como foi o FHC, não respeita os direitos dos trabalhadores, em especial dos que contribuiram para previdência para ter uma aposentadoria não só digna, mas humana e que atenda às necerssidade do cidadão que envelheceu e que deu a sua parte para o desenvolvimento nacional.

    A vida, no entanto, é um palco de lutas. O governo só respeita à força das pressões. Então, os aposentados precisam estar organizados e juntos fazer as suas reindivicações. Os sindicatos estão cheios de pelegos. Há, no entanto, uma Confideração em Brasília, a COBAP.

    Para o ano devemos estar unidos e mostrar o nosso peso nas eleições presidenciais. Temos que enfrentar o Lula e ele ficar sabendo que o Brasil não será jamais satélite de Cuba. Que ele, o Lula, não será vitalício. Mas, não há mal que seja eterno, nem bem que sempre dure.

    Att. Madeiro

    ResponderExcluir
  2. Amigos.
    faço meus cálculos hj.
    Recolho há 15 anos o teto da previdência (394 reais , se não me engano).
    Em 30 anos de trabalho (insalubre), me aposentaria com o teto de ganhos do INSS que é de 2980,00 reais.
    25% do ganho bruto produtivo atual.
    Por isso amadureço a cada dia uma contribuição maior na Prev Privada!

    ResponderExcluir