domingo, 2 de agosto de 2009

As distorções da Lei Anti-Fumo!


JOSÉ ORENSTEIN
Colaboração para a Folha de S.Paulo

Onde tem fogo tem fumaça. E é na boca de cena que a coisa começa a esquentar. A partir de sexta-feira, dia 7 de agosto, entra em vigor em todo o Estado de São Paulo a lei que proíbe fumar em ambientes fechados de uso coletivo.

No extenso rol de lugares proscritos estão cinemas, bares, lanchonetes, boates, restaurantes, hotéis, centros comerciais, bancos, supermercados, açougues e... teatros.

Quem quiser acender um cigarro, cachimbo ou charuto "cenográficos", deverá pedir autorização judicial, explicando o porquê de a fumaça ter que se espalhar pelo palco. Ao juiz caberá decidir se o fumo é de fato imprescindível na construção dramática.

A medida vem preocupando alguns atores e diretores, que veem na lei um cerceamento da liberdade artística. É o caso da atriz Mika Lins, que está em cartaz no Sesc Consolação com a peça "Memórias do Subsolo", uma adaptação do livro de Dostoiévski. "Eu fumo dois cigarros em cena, a frente do cenário tem um monte de bitucas. Faz parte da concepção do espetáculo, é quase um acessório de pensamento", afirma.

"Acho o fim. É um absurdo essa história de ter que se justificar. Sei que tem multa, mas estou disposta a pagar ou recorrer na Justiça", diz a atriz. A penalidade deve recair sobre o dono do estabelecimento.

Antonio Rocco, que dirige o teatro N.ex.t. --para onde Lins muda sua peça a partir do dia 11--, diz não estar preocupado. "É uma lei de saúde pública. Não foi pensada para espetáculos teatrais. Isso vai mudar."

Salvo-conduto

Já o ator e diretor Celso Frateschi, em cartaz com duas peças no teatro Ágora --que não utilizam cigarros--, diz achar "patética" a lei. "Se tiver que usar cigarro em cena, vou usar sem dúvida. É uma hipocrisia uma cidade que não controla a poluição dos carros fazer isso. É quase revoltante", comenta.

Além de tabacarias e afins, cultos religiosos "em que o uso de produto fumígeno faça parte do ritual" têm salvo-conduto.

"É uma incoerência que soa quase como um privilégio. Por que não há uma exceção de natureza artística?", pergunta o diretor José Henrique de Paula. Sua peça "As Troianas", em cartaz no Instituto Cultural Capobianco até dia 16, usava cigarros em cena, mas eles foram retirados a pedidos da instituição. "Não era um objeto crucial para a narrativa. Era um elemento que apenas ajudava numa concepção mais realista da peça", conta.

O diretor do teatro Oficina, José Celso Martinez Corrêa, que está ensaiando a peça "Cacilda!!", com cenas em que se usa o cigarro, dá outra interpretação para a lei: "O teatro é um culto religioso, dionisíaco. Então, tá liberado!".

"Teatrinho realista"

Rodolfo García Vázquez, diretor da peça "Justine", que entra em cartaz no final do mês no Espaço Satyros, engrossa o coro: "Eu não sei qual a diferença entre ato religioso e artístico... Por que proibir só na arte?".

Quem tem opinião diferente é Gerald Thomas. Radicado em Nova York, o ex-fumante acha a lei "ótima". "O cigarro é uma merda, não dá barato, só traz câncer e miséria. As pessoas têm que parar de ver seus ídolos fumando", diz Thomas. Para ele, não é só questão de saúde. "É uma besteira esse teatrinho realista, que precisa de uma mesa, de uma cadeira, de um cigarro. O artista tem que transcender isso tudo."



Comento: Acho que tá na hora de avisar os políticos que criam leis "baseados" (alusão à figura ilustrativa do post) em fumantes passivos...
Parem o tráfego de SP e das grandes cidades, pois o CO liberado também envenena...
Parem as vendas de produtos que contenham colesterol, nos mercados, pois também levam a aterosclerose tanto quanto o tabaco.
Parem principalmente de permitir que bares vendam bebida alcoólíca. (????)
è sim!
Bebida além de ser a pior substância dentre as citadas, ainda pode levar ao cliente ir embora de carro e infringir a Lei Seca do Trânsito.
Ou seja mais uma Hipocrisia "baseada" no politicamente correto.
Existe ditadura pior que esta?
É Proibido Proibir!!!!!
Ah...
Os mesmos tucanos que proibiram o cigarro, querem liberar a maconha...

Nenhum comentário:

Postar um comentário