quinta-feira, 20 de agosto de 2009

A Besta Estatal e a nova CPMF



da Folha Online

O Ministério da Saúde informou nesta quinta-feira, por meio de nota, que a regulamentação da emenda constitucional 29 --que prevê novos recursos para a saúde-- deve chegar a plenário até o início do próximo mês.

O projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados, para regulamentar a emenda constitucional 29, prevê a criação da CSS (Contribuição Social para a Saúde), tributo que é visto como uma nova versão da extinta CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira).

A contribuição vai incidir sobre as movimentações financeiras e proporcionar a arrecadação de aproximadamente R$ 12 bilhões anuais para a saúde. Todo o recurso arrecadado pela CSS será destinado, exclusivamente, a ações e serviços públicos da área.

O apoio do PMDB, maior bancada do Congresso, permitirá que a emenda constitucional 29 seja votada. O partido fechou questão favorável à votação ontem, após reunião com o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

O discurso oficial do PMDB é que a saúde precisa de mais recursos devido à gripe suína. O compromisso, que também conta com o apoio também do PT, é votar a proposta no máximo até setembro na Câmara.

"A bancada, a maior da casa, se comprometeu a acelerar a regulamentação da lei e a votá-la em plenário até o começo de setembro, derrubando o último destaque pendente para que seja encaminhada ao Senado", afirmou em nota o ministério da Saúde.

Reação

O PSDB, principal articulador do fim da CPMF, destacou em nota que vai recorrer à Justiça para barrar a contribuição. "A volta desse tributo mostra a compulsão pela irresponsabilidade deste governo. O Planalto promove uma gastança e, para continuá-la, precisa de dinheiro", afirma a nota.

Caso o projeto seja aprovado no Congresso, o PSDB ressaltou que recorrerá ao STF (Supremo Tribunal Federal), sob o argumento de que a criação de imposto depende de emenda constitucional, e o texto que aguarda votação na Câmara é um projeto de lei complementar.

A proposta do Ministério da Saúde inclui destinar 50% dos recursos adicionais arrecadados pela Emenda 29 ao Ministério da Saúde, para serviços de média e alta complexidade; 25% aos estados, para aperfeiçoar o atendimento de urgências e emergências, por exemplo; e 25% aos municípios, para o fortalecimento da atenção básica.


Somos um bando de idiotas que a cada vez mais trabalhamos mais e mais (desculpem tantos "mais") para pagar impostos e sustentar as falhas de gerenciamento de um governo extremamente incompetente e corrupto.
Ah..
"Você é um reacionário, inimigo do SUS, egoísta, tem que contribuir a ajudar os pobres..."
Ora Bolas.,
Eu dei 12 anos de minha carreira ao SUS, principalmente à atenção básica, e posso garantir que os recursos, se realmente bem empregados (não se perdessem em meio à corrupção e desvios e péssimo gerenciamento de recursos), não necessitariam de mais um ônus ao brasileiro que NÂO VAI PAGAR MAIS IMPOSTOS!!!
Que TEMPORÃO E O PMDB e Os PETRALHAS ECONOMIZEM EM SUA ROUBALHEIRA!!!!

2 comentários:

  1. Stenio, nós temos que aprender com eles. Temos que aprender como sonegar os impostos, que eles torram com os
    cartões corporativos e outras farras.

    A Classe Média tem que aprender a fazer como eles fazem, não pagar impostos e praticar à desobediência civil.

    Não devemos votar nem no PT nem no PMDB.

    Att. Madeiro

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Durante muitos anos, todos os profissionais da saúde e os pacientes, esperaram que a CPMF aparecesse para fazer uma visitinha aos hospitais, já que nasceu com o propósito de se destinar à saúde. Nunca apareceu...
    Agora houve a ameaça do seu retorno, e mais uma vez, se fosse aprovada, CERTAMENTE continuaria não indo aos hospitais. Acho que a CPMF tem medo de médico.

    Arrumam muitas maneiras de aumentar (ainda mais) a carga tributária, e como consequência, o desvio de dinheiro público.

    Ótimo blog.

    ResponderExcluir