quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Sarney estaria até com Satanás se ele governasse o Brasil

Capa do livro "O Camaleão"


O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), acusa o congressista Domingos Dutra (PT-MA) de quebra de decoro parlamentar, o que pode resultar na cassação do deputado.

O motivo da acusação é um livro de 36 páginas com diversas críticas ao presidente. Chamado "O Camaleão", ele está em sua terceira edição e é distribuído gratuitamente pelos corredores do Congresso Nacional.

"[Sarney] é um oligarca doente que tem mania de faraó," disse ele no plenário da Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (7 de agosto) ao saber que Sarney o havia acusado de quebra de decoro parlamentar. As duas cartas de Sarney pedindo a abertura de processo contra Dutra foram enviadas ao presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), nos dias 13 e 17 de julho, mas elas só vieram a público nesta quinta-feira (6). Elas não intimidaram Dutra.

"Até se o Fute, o Lúcifer, o Satanás viessem governar o Brasil por lá estaria o Sarney servindo o Lucifer, o Fute e o Satanás," disse Dutra ao saber das denúncias.

"O tom usado por Dutra é muito diferente da praxe da Casa ao lado. No Senado, os congressistas se referem cordialmente à Sarney. Senadores só se referem a ele como "presidente" ou "vossa excelência".

"Falta de verdade" é um termo muito mais comum do que "mentira". E até os seus maiores opositores, como Artur Virgilio (PSDB-AM), já disseram admirar a carreira política de Sarney.

Dutra, porém, não economiza as palavras. "O senador Sarney é um cacique e mantém esse poder tão longo porque é dissimulado, porque não tem identidade política, porque é vingativo e, sobretudo, porque é um camaleão."

Sobre o seu livro, Dutra diz que não há mentiras nele e só tem do que se orgulhar. "Até o Papa está pedindo este livreto pela importância que ele tem. Coisa simples."

Em "O Camaleão", Dutra critica a influência de Sarney mostrando até a foto de um carro presidencial que, supostamente, estaria no Maranhão. Há também listas de lugares com nomes ligados à Sarney no Estado.

"No Maranhão tem um Município chamado São José de Ribamar, e o nome dele [de Sarney] também é José de Ribamar, ele mandou fazer uma estátua muito grande do santo e, na hora, botou foi a cara dele. Se botar o bigode, o santo fica com a cara do Senador Sarney," diz o deputado.

Dutra também critica a filha de Sarney, Roseana, no seu planfeto. O tom só é mais cordial ao tratar de um dos membros da família, o atual deputado Sarney Filho (PV-MA).

"O Deputado Sarney Filho é uma pessoa que respeitamos, quando tiver um embate com ele será com ele, não misturo as coisas. O conflito é com o senador Sarney que está envergonhando o Brasil, envergonhando o Congresso Nacional efazendo as pessoas terem nojo da política e dos políticos," diz Dutra.

A proposta de Dutra para resolver o embróglio com Sarney, porém, tem pouca chance de se concretizar. "Eu gostaria que o senador José Sarney topasse uma acareação comigo. Eu o chamo para uma acareação, para discutirmos se o que está escrito aqui no Camaleão há alguma inverdade."

UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário