quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Ainda sobre Honduras


O ataque contra o novo governo de Honduras é uma infâmia covarde contra um povo que tenta defender seu direito, da soberania e da democracia e contra um rival bandido Chavez. O ex-presidente Manuel Zelaya foi expulso por violar flagrantemente, arrogante e sem vergonha, a Constituição de seu país, que ele jurou defender. Reclamado, contra todas as probabilidades, uma consulta sobre as alterações à Constituição, incluindo um artigo que permitiria um segundo mandato. Essa consulta, em Honduras, é ilegal. Eles concordam com a sua expulsão do Congresso, a Suprema Corte, a Procuradoria, a autoridade eleitoral, a Igreja, e uma grande maioria do povo. Antes dos fatos, a popularidade de Zelaya já estava abaixo de 30%. Mas o que importa não é quem esta de acordo com a expulsão, mas o motivo que eles frequentam. A Constituição de Honduras proíbe a alteração ao artigo da mesma carta que informa a alternância presidencial. A própria tentativa é definido como um crime. Certo ou errado, essa é a lei. A Carta também proíbe de fazer qualquer consulta, plebiscito ou referendo, enquanto o governo nas eleições locais. O ex-presidente Zelaya, apesar de ter sido escolhido como o homem de centro-direita, caiu em má companhia de Chávez, Evo, Ortega, etc. Esses personagens, que romperam com a impunidade todas as leis dos seus próprios países, o incentivou a levar adiante a consulta ilegal.

Passando sobre a objeção do Tribunal Supremo, Zelaya ordenou às Forças Armadas lidar as respectivas urnas, o chamado quarto voto nas urnas. O chefe militar, o general Vasquez, se recusou a fazê-lo. A Constituição proíbe o militar cumprir ordens ilegais. O presidente estava determinado a continuar sua consulta ilegal, e nós sabemos que tudo acabou em sua derrubada. "O golpe militar? ERRADO! O Exército agiu por ordem do Supremo Tribunal Federal. Ele foi obrigado por lei a fazê-lo.

Você não esperaria nada diferente de Chávez e seu grupo de arqueiros, mas o ruído e ameaças. Houve imediata. Insulza, secretário-geral da OEA, como sempre, agiu como um palhaço pobre obediente aos sátrapas do Foro de São Paulo. Metade do mundo caiu sobre o novo governo, liderado, por mandato da Constituição, presidente do Congresso, Roberto Micheletti. Não admira que a Espanha, e seu ministro das Relações Exteriores da esquerda, Moratinos, têm apoiado o aprendiz de ditador, ou que fez à França um tempo atrás em sua política externa equivocada. Outros países europeus, mais imparcial, não cair nessa armadilha.

Mas o que é preocupante é que o governo dos E.U. tenha tomado uma posição contra os democratas em Honduras, tentando impor o regresso do pombo ditador. Será que Hillary Clinton e Obama se limitam a ouvir e crer os disparates que diz CNN? Se assim for, se não se preocupa com o estudo da Constituição de Honduras, que seria uma grande velocidade. Perigoso para os outros em um mundo cheio de ditadores liberdades e aventureiros. Mas seria pior, se conhecer os detalhes jurídicos do caso, decidiu pela ditadura, argumentando que a eleição democrática de um presidente lhe dá direito a todos. Esse conceito estrito de democracia, que ignora os limites legais sobre o governante e governado a divisão e equilíbrio de poderes, não está representando a história ea tradição dos Estados Unidos. Se, Zelaya foi eleito pelo voto popular incontestável. Mas de resto, por isso foi o Congresso que pretendia negar. Lembre-se que a regra de que distingue a verdadeira democracia é a obediência à lei pelo governador e foi eleito pelo voto popular. "A América já não acredita neste princípio de base? O presidente E.U. passado que viveram esse tipo de confusão foi Jimmy Carter. Sua falta de jeito põem em grave risco ao seu país e de todo o mundo livre. Com Obama, este é outro Carter? Algumas semanas atrás, eu discuti o risco que representa para a liberdade da falta de compreensão da realidade do mundo por Obama. Isso é assustador.

Colômbia, por sua vez, bateu várias vezes uma saída populista do gado no continente. Lembramos com orgulho que a Colômbia não apoiou os militares argentinos, quando decidiu invadir as Ilhas Malvinas. Desta vez temos de sofrer a vergonha de ver nosso país, alinhados com os ditadores contra o povo de Honduras.

É verdade, nós não ameaçamos invadir Honduras e seguir o comando do falastrão Chávez ; o presidente Uribe, em algum momento, ele evocou o princípio da não-ingerência nos assuntos internos de outros países. Mas a verdade é que o nosso chamado chanceler condenou o golpe, e foi um retrocesso, e chamou para consultas o embaixador da Colômbia. Isso é uma pena, embora ligeira, contra o governo de Micheletti. Que vergonha e tristeza.

Nós encorajamos as pessoas de Honduras e seu governo legítimo, em Micheletti, de aturar. Gostamos do gesto de se retirar da OEA. Em má companhia, como a não valer a pena. Honduras está dando um exemplo de coragem que inspira a todos nós. Se Honduras aguentar-se bem neste momento difícil, e isso significa que, sem Zelaya como presidente, terá alcançado uma vitória enorme. Não apenas uma vitória para o benefício de seu próprio povo, mas também para uma verdadeira democracia em todo o continente. Mas se o peso específico do pacote de infâmia que foi feito contra a democracia Zelaya de Honduras conseguiu impor, será um dia triste para a liberdade e a democracia no nosso continente.


"A verdad Colombia"

Nenhum comentário:

Postar um comentário