quinta-feira, 24 de setembro de 2009

O discurso de Obama na ONU


Em seu primeiro discurso na Assembleia Geral da ONU, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que é tempo de o mundo se mover em direção a uma nova era de respeito mútuo e interesses comuns e que seu país está pronto para iniciar um novo capítulo em termos de cooperação internacional.

Segundo Obama, o sentimento antiamericano foi usado muitas vezes no passado por outros países como desculpa para não agirem. O presidente disse que aqueles que criticaram os Estados Unidos por agir sozinhos no passado não podem agora ficar parados e esperar que o país resolva os problemas do mundo sozinho.

"Nada é mais fácil do que culpar os outros pelos nossos problemas e nos absolver de nossas responsabilidades", afirmou.

O presidente disse que os argumentos do século 20 devem ser deixados no passado e que as nações devem buscar construir novas coalizões e trabalhar em conjunto.

"Nenhuma ordem mundial que eleva uma nação acima das outras pode ser bem-sucedida", disse Obama, que falou na ONU logo após o discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Devemos construir novas coalizões que superem antigas divisões. Todas as nações têm direitos e responsabilidades."

Obama listou o que considera os quatro pilares que englobam os principais desafios enfrentados pelo mundo hoje: o fim da proliferação de armas nucleares; paz e segurança; preservação do planeta e combate às mudanças climáticas; e uma economia global em que haja oportunidades para todos.

O presidente americano disse ainda que esses quatro temas estão interligados.

Conflito no Oriente Médio

Obama disse que a ameaça da proliferação nuclear está crescendo e que países como o Irã e a Coreia do Norte (que sofrem pressões da comunidade internacional para interromper seus programas nucleares) devem ser responsabilizados caso busquem fabricar bombas atômicas.

"Não queremos que armas nucleares caiam nas mãos de extremistas", disse.

Obama foi muito aplaudido ao falar sobre o conflito entre Israel e palestinos. Ele disse que os Estados Unidos vão continuar a trabalhar pela paz entre Israel, palestinos e outros países do mundo árabe.

Segundo ele, já houve algum progresso, mas é preciso avançar ainda mais. Além disso, voltou a afirmar que os Estados Unidos não reconhecem a legitimidade dos assentamentos israelenses em territórios palestinos.

“Chegou a hora de relançar as negociações, sem precondições”, afirmou. Obama disse ainda que o objetivo permanece sendo a existência de dois Estados vivendo lado a lado em paz e segurança.

O presidente americano afirmou ainda que vai continuar a lutar para derrotar a rede extremista Al-Qaeda.

Ambiente e economia

O líder dos Estados Unidos disse que não haverá paz no século 21 a não ser que todos assumam suas responsabilidade pela preservação do planeta.

De acordo com Obama, as mudanças climáticas poderão causar conflitos globais pela luta por recursos escassos e o desenvolvimento pode ser devastado por problemas como seca e fome.

O presidente americano disse que os países que causaram tantos danos ao ambiente no século 19 devem aceitar a obrigação de liderar o combate às mudanças climáticas, mas que qualquer esforço deve incluir também as nações em rápido desenvolvimento, que podem fazer mais para reduzir suas emissões sem prejudicar seu crescimento.

Obama afirmou que o mundo ainda se recupera da crise econômica e que é necessário construir uma economia global que traga oportunidades para todos.

O presidente disse que democracia e respeito aos direitos humanos são essenciais para atingir cada um dos objetivos que mencionou, mas que a democracia não pode ser imposta a nenhuma nação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário