quinta-feira, 8 de outubro de 2009

MST: Apoio da CNBB


As imagens expostas no vídeo invadem os lares dos brasileiros há três dias, levadas pela televisão.

As cenas expõem algo que já se tornou corriqueiro: a pretexto de defender o direito à terra, o MST rasga as leis.

A destriuição dos pés de laranja da empresa Cutrale obteve reprovação instantânea.

Até o governo Lula e o petismo, tradicionalmente lenientes com o MST, levaram o pé atrás.

Eternos rivais, os ministros Reinhold Stephanes (Agricultura) e Guilherme Cassel (Desenvolvimento Agrário), soaram em timbre assemelhado.

Para Stephanes, a derrubada das laranjeiras é “caso de polícia, intolerável”. Para Cassel, a ação foi "grotesca".

“O MST não é o PT”, discursou, do plenário da Câmara, o líder Candido Vaccarezza, do PT.

Pois bem. Em meio à onda de censura, a CPT (Comissão Pastoral da Terra) decidiu associar-se ao vandalismo.

Braço agrário da CNBB, a entidade levou à web uma nota com o seguinte título: “Mais uma vez mídia e ruralistas investem contra o MST”.

O texto diz que a invasão à fazenda, cuja propriedade é discutida numa ação judicial, ocorreu em 28 de setembro.

Sustenta a versão de que os meios de comunicação levaram o fato ao microondas, requentando-o. Para quê?

Para oferecer munição aos defensores da instalação de uma CPI contra o MST no Congresso.

Antecipando-se ao Judiciário, a CPT abraça a tese de que a Cutrale grilou as terras. E anota:

“O MST destruiu dois hectares de laranjeiras para neles plantar alimentos básicos...”

“...A ação tinha por objetivo chamar a atenção para o fato de uma terra pública ter sido grilada por uma grande empresa...”

“...E pressionar o judiciário, já que, há anos, o Incra entrou com ação para ser imitido na posse destas terras que são da União”.

Ora, se o objetivo era o de “chamar a atenção”, por que diabos a Igreja reclama do destaque que a mídia dispensa ao episódio?

Por ordem da Justiça, o MST teve de deixar a fazenda. Fica no município de Boberi (SP). Dá emprego a 300 trabalhadores.

Verificou-se que, além de derrubar pés de laranjas, os invasores esvaziaram um depósito de óleo diesel...

...Destruíram máquinas e saquearam residências de trabalhadores. Levaram mantimentos, eletrodomésticos e peças como chuveiros e torneiras.

A despeito de tudo, não há na nota da CPT uma mísera palavra que possa ser lida como ressalva ao MST.

Ao contrário. Para reforçar a aliança com o ilegal, a entidade católica pendurou no seu sítio eletrônico um artigo assinado por Gilmar Mauro, um dos mandachuvas do MST.

O texto termina assim: “É nas crises, é nos conflitos que se diferenciam homens de ratos, ou laranjas de homens”.

São palavras perigosas. Evocam imagens que costumam ser associadas a entidades que se converteram em “laranjas” do MST.

Ou, por outra, viraram ratoeiras atípicas. Armadas com o queijo da Viúva, recebem o assédio dos roedores do movimento sem desarmar jamais.

Em cinco anos, serviram-se cerca de R$ 115 milhões. Nacos dessa verba financiam ações como a tratoragem do laranjal.




Escrito por Josias de Souza

4 comentários:

  1. Stenio,

    Acho muito interessante que a igreja, através da CNBB, e seus representantes no Brasil se preocupe com a miséria, a falta de terra e outros problemas "sociais", quando eles próprios vivem na riqueza e são os fomentadores destes mesmos problemas. Em 1969, seminários no interior do Brasil, já abrigavam cidadãos estrangeiros de países comunistas em suas dependências, o pq. da proteção dada a estes nós já sabemos.
    Pq. estes pilantras de batina não seguem o exemplo de São Francisco? Abram mão de seus bens materiais em prol dos menos favorecidos, comprem terras e as distribuam, canalhas ! Estes abutres vivem de doações da população honesta e crente do Brasil e a esfaqueia pelas costas, são verdadeiros parasitas na nossa sociedade. Nos bens da igreja eles não falam....das igrejas cobertas de ouro,num vaticano cheio de obras de arte também não.
    A CNBB deveria se preocupar com os padres pedófilos e o que acontece dentro de seminários, em casas paroquiais e não em apoiar grupos criminosos.
    Esses enrustidos, essa falta de identidade deles, é que gera a revolta que alimenta a marginália do MST. É visível que muitos estão na profissão não por vocação mas pelo puro prazer de usar saias.

    Pro inferno com essa entidade...

    deus, pátria, família e liberdade!

    ResponderExcluir
  2. E meu caro Sicario, so que esses maldidos terroristas do MST nao atacam e roubam as igrejas milionarias eles atacam o fazendeiro que da emprego, que produz alimentos e que paga impostos ao governo que financia esses mesmos arruaceiros. Eu sou catolica e minha igreja nao nao compactua com violencia. Essa Pastoral da Terra cresceu dentro da igreja so para esconder sua propria vocacao que e proteger e apoiar esses movimentos terroristas. Nada a ver com religiao. Acha que esses demonios tem religiao e acreditam em Deus? Pastoral da Terra e MST tem uma relacao de verdadeira simbiose.Fundem-se mutuamente!

    ResponderExcluir
  3. Nossa! Depois de ter lido o artigo e os comentários me surgiram diversas questões: a verdade é absoluta? Se não é, as verdades escritas aqui, atendem a que interesses? E a propósito, qual a origem das informações que respaldam estas verdades escritas aqui? A origem seria a mídia mais privilegiada de nosso país? Esta mídia, representa o povo brasileiro, ou apenas as elites? A propósito, quem tem seu controle? O MST, se reduz a um movimento de vagabundos financiados pelo governo? Existem investimentos em Reforma Agrária? Com tanto latifúndio no páis, por que o MST "invade" empresas rurais? As invasões são feitas na maioria dos casos em empresas rurais? O agronegócio no Brasil é, ou não é, de gêneros de exportação? Ou atende a demanda interna de nosso país? Não seria o caso de aumetar o valor do ITR, (Imposto Territorial Rural), tirando um pouco o peso dos impostos no consumo? O ITR pago é justo? A tributação no Brasil não é maior sobre o consumo? Se as empresas no campo geram emprego, como se explica o êxodo rural? A Igreja Católica tem uma só voz? Uma últma pergunta, a frase: "Deus, Pártia e Liberdade" não fez parte de uma manifestação pública contra Jango no período em que anunciou Reformas de Base, as quais incluiam a Reforma Agrária? Depoi disso, não teve início a Ditadura MIlitar? Estas são algumas das questões que me vieram á mente. Mas, é obvio, que dúvidas não faltam quando se tratando deste tema tão complexo!

    ResponderExcluir
  4. Amigo Evaldo.
    Awqui já estamos até o pescoço de relativismos.
    Só não enxerga a verdade quem não quer.
    MST são vagabundos , terroristas e um braço armado do PT para desetabilizar o campo.
    Se vc só ler Carta Capital aí fica essa alienbação explícita.
    Pergunte-se hj em dia: Para que tem servido o MST???
    A reforma agrária a ser feita deve manter este mesmo modelo anti- liberal???
    Isso saim é importante.
    Mas alienação e alienação.

    ResponderExcluir