segunda-feira, 23 de novembro de 2009

O que o mundo pensa de Ahmadinejad


Uma reportagem publicada nesta segunda-feira no jornal americano "The New York Times" afirma que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva "está dando cotoveladas" no seu colega americano, Barack Obama, ao receber o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, em Brasília nesta segunda-feira.

Seguindo a linha de outros artigos publicados na imprensa estrangeira, o jornal vê a visita como uma tentativa brasileira de se afirmar nas grandes questões internacionais mundiais.

Ao mesmo tempo, a matéria levanta preocupações quanto aos efeitos da cartada diplomática nas relações entre o Brasil e os Estados Unidos, que mantêm relações tensas com Teerã.

"As ambições brasileiras de se tornar um ator importante no palco diplomático global batem de cabeça nos esforços dos Estados Unidos e outras potências mundiais de controlar o programa de armas nucleares do Irã", afirma o "NYT".

Analistas e legisladores americanos ouvidos pelo jornal criticaram a visita, que ocorre pouco depois da recepção brasileira ao presidente israelense, Shimon Peres, e ao presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

Para os críticos do encontro entre Lula e Ahmadinejad, a visita "pode enfraquecer os esforços para pressionar o Irã no seu programa nuclear, e consequentemente esfriar as relações do Brasil com os Estados Unidos e arranhar sua crescente reputação como potência global".

'Diplomacia arriscada'

Da Espanha, o jornal "El País" escreve que a chegada de Ahmadinejad a Brasília é "uma arriscada operação diplomática" de Lula, que "tenta reforçar seu papel como protagonista internacional (...), mas pode ficar em uma posição difícil se a visita acabar em fiasco".

Em meio a uma "busca desesperada por apoio internacional", diz o jornal, "a América Latina se tornou cenário de um importante esforço de penetração diplomática iraniana".

Além do Brasil, a visita do presidente iraniano inclui a Venezuela e a Bolívia. Além disso, as relações com Caracas abriram para o Irã as portas de outros países, como Nicarágua e Equador.

"Nenhuma destas viagens havia despertado tanta inquietude como o giro que começa hoje", diz o "El País". "O Brasil é um país muito diferente e reivindica um cenário distinto."

Citando as ambições brasileiras de usar as negociações no Oriente Médio como um trampolim para tentar uma cadeira permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas, o diário espanhol avalia que "a entrada em campo do Brasil, uma enorme potência em todos os sentidos, muda por completo o mapa".

'Teste'

Para o britânico "Financial Times", a visita de Ahmadinejad é um "sério teste diplomático" para o "status do Brasil como uma potência mundial emergente".

O jornal acredita que a recepção será um "reconhecimento" do regime iraniano por parte do maior país da região.

"Em privado, membros do governo americano se mostraram preocupados com os contatos entre o Irã e outros governos", escreve o "FT".

Por outro lado, sublinha o diário financeiro britânico, após a visita do presidente israelense ao Brasil, o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, "disse que estava considerando encerrar suas operações no Irã, ainda que enfatizando que a decisão é puramente técnica".

Estadão

2 comentários:

  1. Facínora, assassino, déspota, lixo desprezível! #ahmadinejad #foralula #BASTA #prontofalei

    ResponderExcluir
  2. Stenio!

    Não bastasse a Inglaterra ter enviado vários conteiners com lixo, para reciclagem no Brasil, agora o governo e sua diplomacia recebem lixo da Pérsia.
    Se algo de bom, de útil sair de uma reunião entre Lula e Ahmadinejad, já poderemos nos considerar os maiores recicladores de lixo do planeta.
    Fico imaginando os projetos de ditadores, que vivem no planalto central, babando ovo do dtador iraniano...eles devem estar nas nuvens...do inferno!

    ResponderExcluir