quinta-feira, 14 de abril de 2011

O DESCASO, O ECA, A EDUCAÇÃO E REALENGO

A mídia destilou seus venenos sobre o episódio em Realengo/RJ.
Claro que o crime é bárbaro, mas seu maquineísmo vem de longa data.
Há o descaso com a educação desde a revolução de 1964, cuja pá de cal culmina com a constituição de 1988.
Não temos mais "educadores", somente professores, amedrontados, acuados, e mal aproveitados, com péssimas condições de trabalho, educação neutralizada politicamente, salários aviltados e consequentemente maus profissionais.
Temos o ECA(estatuto da criança e do adolescente) que deveria chamar-se de CCD(como criar um delinquente), pois, pais e educadores, não podem mais puní-los ou advertí-los apenas dialogar.
Diálogo é para pessoas instruídas, educadas.
A destruição dos vínculos familiares, o "bulling", a falta de corretivos nas escolas coibindo a prática, o absurdo de premiar os ineptos com a promoção de ano escolar, a falta de trabalhos em grupo, a dependência, a falta de estímulos aos vitoriosos, a educação artística e histórica, a falta de civismo, e a mediocridade do ensino, não são levadas em conta no episódio.
Os filhos adotivos devem ser acompanhados pelo estado, não entregado, como se fosse apenas transferência de responsabilidades.
Leis mais severas sobre paternidade responsável.
A segurança pública é um "status quo" que uma sociedade adquire, com saúde pública decente, educação de qualidade e emprego.
Realengo, aconteceria até com facas, canivetes, ou um automóvel roubado, talvez um estilete, ou bomba caseira.
O estopim havia sido aceso muito antes do jovem nascer, poderia ser um jovem pobre e desiludido ou outro rico muito bem tratado.
O sofrimento moral de nossa sociedade é uma arma letal.
São 50000 assassinatos por ano e outro tanto igual mortos no trânsito, a culpa não é das armas letais, pois, se assim o fosse deveríamos proibir os auto motores de circular no país.
Não adianta proibir facas e canivetes onde palitos de dente ou lutas marciais, poderiam fazer o mesmo.
Porque melhorar, se podemos remediar, o crime de Realengo, fosse cometido por um jovem de 16 anos, passaria impune.
Punir o morto e sua família é muito mais fácil para o estado incompetente.
Dêem um enterro decente ao miserável, sem pai e mãe conhecidos, ferido por seus pares, mutilado em afetos, e sem discernimento moral e ético.
No preciosismo do governo brasileiro, na síndrome do "coitadismo" adquirido  resta dar condolências às famílias, pelo descaso, pelo ECA, pela falta de estrutura educacional, pela falta de cuidados nos lares adotivos, o assassino do realengo também é vítima.
O segredo é desarmar o povo e deixar os delinquentes menores de idade e bandidos com suas melhores armas.
As drogas, pior que nossa pior droga é o governo.
O jovem assassino de Realengo, poderia ter cometido esse crime no congresso nacional, eu o transformaria em herói, pena que ele não teve suficiente estrutura educacional para saber de quem se vingar...
bom dia

2 comentários:

  1. bom artigo! Resta-nos indignar-nos!!

    ResponderExcluir
  2. Nestes tempos estranhos, em que todos os partidos parecem ter descoberto a classe média, é preciso que fique bem claro que este povo foi açoitado psicologicamente para aceitar o politicamente correto, o ECA e tantas outras barbaridades que se fizeram nestepaís.

    O tempo dirá, no entanto, que este caminho está sendo mal trilhado e que já passamos do ponto de retorno. Pelo menos, do retorno fácil, simples. A volta do Brasil à normalidade democrática demorará e precisará de uma classe média forte, inteligente e culta. Difícil, não?

    ResponderExcluir