quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Ah! os erros e os pecados

Pois,
Há erros e  pecados.
Bem absolvição não existe, ninguém nem qualquer deus pode absolver nossos erros e pecados.
Nós não podemos nos absolver pelos nossos erros e pecados, podemos reparar alguns erros, talvez alguns pecados, mas a culpa será até depois da morte.
O criminoso mesmo após cumprir pena e obter indulto, sempre pagará pelo seu pecado resignadamente, se não o faz, retorna ao crime e castigo.
Convivemos com nossos erros e pecados pelo restante de nossos dias, e carregaremos o estigma de tê-los cometidos para além de nossos túmulos.
Nenhum deus nos condenará, nenhum demônio nos castigará.
Nossos filhos estarão marcados por nossos erros, assim como a sociedade nos culpa pela escravatura e destruição indígena, apenas pela cor de nossa pele branca, mesmo que 90% desses brancos de pele, sejam oriundos de miscigenações confusas do passado, mesmo que nenhum de nossos antepassados tenha vivido na época da escravatura ou das capitanias hereditárias.
Qual a culpa do alemães de hoje pelos crimes de Hitler?
Carregam o estigma.
Porque os muçulmanos de hoje não conseguem carregar o estigma de Saladino?
Porque devo eu carregar os estigmas de Jesus Cristo ou Maomé?
Isso nos prova que não existe absolvição de erros e pecados.
O passado corrói a mente dos que se acham impolutamente corretos.
E cometem os pecados de julgar inocentes descendentes pelos erros de seus parentes já mortos e eternamente estigmatizados.
Filho da puta sempre será filho da puta.
Filho de criminoso sempre será criminoso.
Creio que o estigma é mais racista e discriminatório
que o os próprios conceitos.
O preconceito imbecil estigmatiza e criminaliza as pessoas.
Ninguém pode redimir os pecados, nem reparar os erros, sem começar de novo.
No caminho dessas hostilidades ignóbeis, não existe perdão.
Somos todos descendentes de Barrabás ou de Pôncio Pilatos, somente conseguimos observar os erros do passado sem expiar os que cometemos.
Esse é o pior dos infernos, nem Dante o descreveu.
bom dia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário