domingo, 22 de maio de 2011

O ESTATUTO da paternidade

Pois,
nosso digno senado, como todos sabem, cria leis para que leis sejam cumpridas.
Estatutos do ECA, estatutos do idoso, estatutos da mulher, e agora um senador, do partido governista que fazer os estatutos do motorista.
Em 1992, eu teria sido preso, depois que meu filho de 4 anos atirou-se ao chão de um "shoping" pedindo uma espada do "Heman", nunca dei armas como brinquedo, apesar que nos dias de hoje um bastão de baseball metálico é um ótimo brinquedo para defender-se do "bulling". Agarrei-o com força e dei-lhe uma "jornaladas na bunda".
Hoje ele não bebe, não fuma, não cheira e adora sua heterossexualidade.
De lá para os dias de hoje, há diferenças sinistras, proibiram com estatutos medíocres que os pais educassem seus filhos e que os professores ensinassem.
Eu diria aos digníssimos deputados, que há leis melhores, se cumpridos fossem a constituição e o código penal.
Matar é crime, não importando o tipo de arma usado, bater num filho não é crime, crime é deixá-lo cheio de hematomas ou em estado de coma.
Vejo reportagens de nossa imprensa sobre a "crackolândia" que cada cidade tem, mas nos "campus" universitários rola muito mais dinheiro com drogas do que nossa vã filosofia acredita.
O Brasil não precisa de estatutos medíocres, o governo mata os aposentados, nas pensões e nas filas do SUS, e não cumpre nem a constituição com os idosos, quanto mais o estatuto do idoso.
Dirigir bêbado é crime, matar por atropelamento é crime, punam, mas não me façam outro estatuto.
Outro dia uma desvairada colocou o filho para morrer no lixo, querem criminalizar esta mulher, mas nenhum jurista ou o ministério público quer saber quem é o pai?
Criminalizam a mulher por não querer o filho, mas esquecem-se que ela não o fez sózinha.
O pai também é responsável, não existe esse negócio de "pai desconhecido" existe sim o pai irresponsável e desaparecido.
Agora esccrevo eu, essa criança salva do lixo, vai para um abrigo, mas poderia muito bem estar na casa dos avós paternos.
Por outro lado, nossos governantes não estão nem aí, para as crianças adotadas, ou colocadas em abrigos.
Não temos um órgão fiscalizador das adoções.
Então senhores congressistas, precisamos de uma lei de paternidade responsável, OU voces acham que estas mulheres engravidaram pelo "espírito santo"?
Precisamos criar leis onde faltam leis, jamais mostrar serviço com estatutos medíocres, postulando direitos garantidos.
Eu queria ter a "ISONOMIA" de voces senhores deputados e senadores.
Quero cadeia para a irresponsabilidade da gravidez consentida, mas para ambos, "pai e mãe" assim faz-se justiça como o aborto da gravidez sem consenso.
Parem com leis inócuas que causam apenas embates jurídicos.
Existem milhares de "filhos de prostitutas" que sequer sabem se os pais.
Ou então mudem-se os parâmetros, que os filhos carreguem apenas os sobrenomes maternos.

bom dia...