segunda-feira, 30 de maio de 2011

Os eco-socialistas e suas mediocridades e hipocrisias

Pois,
Escrevo numa segunda-feira, puto da cara com os pseudo ecologistas e suas ONGs medíocres e hipócritas.
Reclamam do lixo urbano, das sacolas de plásticos, das bitucas d cigarro, do mal uso da água potável, do desmatamento, dos rios poluídos, dos animais em extinção, da camada de Ozônio, da produção de CO, das usinas atômicas, das hidro-elétricas, do uso de combustíveis fósseis, dos gases nocivos, enfim, a lista dos eco-socialistas é imensurável.
Chamá-los de eco-socialistas é indígno, pois culpam os meios de produção como causa social e da pobreza marginalizada.
Neste teorema da vida humana existe sim uma causa para tudo isso acontecer, porém os pseudo-eco-socialistas são arrogantes demais para admití-las.
Quero que os que lerem esse desabafo, não levem para o lado religioso ou sentimental, mas a causa desta deturpação ambiental é o ser humano.
Nossos animais estão desaparecendo, junto com nossas florestas, e aquíferos subterrâneos que levaram milhões de anos para formarem-se.
A culpa é da superpopulação humana.
Menos humanos teríamos menos agronegócios, menor consumo de água subterrânea, menos hidroelétricas, menos lixo ambiental, menor desmatamento, menos gases destrutivos ao planeta, menor pobreza, riqueza mais dividida, mais social, menos corruptos e prevaricadores.
Para encerrar esse curto diagnóstico, teríamos menor número de ONGs no Brasil surripiando nossa madeira e recursos minerais, e um menor número de pseudo-eco-socialistas usando nosso dinheiro público.
ACORDA BRASIL...

5 comentários:

  1. Sabe, VS, a coisa é bem mais complicada! Se tamanho fosse resultar em menor corrupção, o Paraguai, a Bolívia e tantos outros nanicos seriam países honestos! O grande problema é que a maioria aceita o que uma minoria apronta em seu nome. E esta minoria tem o dom da palavra, a explicação para tudo e, concluindo, a subserviência do resto...

    ResponderExcluir
  2. Malandro é o gato!
    Os economistas gostam de estratagemas complicados, quando , na verdade, as coisas são bem mais simples do que poderia parecer. Há, por parte dos cientistas sociais, uma tentativa hercúlea de se entender os acordos entre os agentes econômicos, coroando-se os contratos implícitos ou explícitos com todos os incentivos e restrições cabíveis, de forma a se obter o objetivo procurado para ambas as partes envolvidas, resumidamente o Agente e o Principal. Fazer funcionar um sistema de incentivos, estabelecendo contratos ideais, é a pedra de ônix que procuramos para que uma sociedade livre e equilibrada possa prosperar.

    O contrato ótimo seria aquele que atendesse aos objetivos do principal a um menor custo, dando para o agente o retorno tal que não lhe permita desviar-se da conduta esperada pelo principal. O agente teria também que respeitar certas restrições. Claro, quando há uma estrutura legal e instituições que funcionem a contento, os contratos são simples e facilmente executáveis. Quando , entretanto, a bagunça jurídica reina, maior a necessidade de se impor restrições; o que abre espaço tanto para o agente ou o principal buscarem atingir maiores lucros. Quem definir pior suas estratégias ou restrições, perde mais.

    Se imaginarmos que o nosso legislativo, representando o povo brasileiro – o principal - pode ter alguma influência sobre as estratégias do executivo, representando os pactos que moldaram a conduta de certos grupos políticos – o agente - poderíamos travar a dilapidação de nossas riquezas com um contrato social simples de ser executado.

    Assim, quero postular concretamente limites aos projetos que põem em risco nosso futuro. Falo especificamente dos projetos de energia (hidroelétricos e outros) que a turma industrial gostaria de espalhar Brasil afora. Pouco importa se vão prejudicar o Pantanal ou o Amazonas. O que importa é fazer um duto do Norte ou Centro-Oeste para o Sudeste.

    A pergunta simples seria a seguinte: o que ganham os moradores do norte ou centro-oeste com esses projetos? Pelo custo ambiental propalado, intuo que seria prejuízo certo, além da favelização de regiões que antes só existia a pobreza. Neste novo contexto, ter-se-ia pobreza e favela. Mas qual o contrato social que poderia resolver esse impasse? Simples. O Plebiscito.

    A proposta do blog Chutando a Lata seria a de que cada localidade deveria, através de plebiscito, votar pela efetivação do projeto, quando este envolvesse uma extensa região ou tivesse valor significativo que pudesse comprometer o orçamento do município ou do Estado. Quanto ao Pantanal, se os cidadão de Mato Grosso votarem pelas hidroelétricas na região, então o processo de regularização do projeto poderia prosseguir em seu tramite legal. O que não pode acontecer é a turma do sudeste decidir o que vai fazer em outras regiões do Brasil sem que os moradores locais o permitam. É como aparecesse um galo no meu galinheiro querendo, além de ciscar , dominar as minhas galinhas. Para que o pau não cante ou a corrupção corra frouxa, um acordo social tem que ser obtido. O Plebiscito sacramentaria tal acordo. Num mundo democrático é , através do Congresso Nacional, que poderemos colocar limites à degradação e à dilapidação de nossas regiões e recursos naturais. Se a democracia entre nós ainda respira, poderemos acordá-la dessa catatonia doentia de se preocupar com questões menores. Para os assuntos importantes não podemos deixar de opinar.

    Democracia já!

    PS: A boa coincidência existe, tanto quanto existem homens bons e honestos a rodo nesse país. Hoje, em sua coluna no Correio Braziliense, Rubem de Azevedo Lima, retoma o tema: Catástrofes anunciadas. Cita os projetos que podem colocar em risco a nossa segurança e os vastos ecossistemas que ainda existem aqui. São os projetos da Usina Nuclear em Angra e o da usina hidrelétrica de Belo Monte que inundará 500 km 2 do território paraense . Para que todos sejamos partícipes dessas loucuras, clama que Dilma deveria propor ao Congresso plebiscito para a efetivação desses projetos.

    ResponderExcluir
  3. Malandro é o gato!
    Os economistas gostam de estratagemas complicados, quando , na verdade, as coisas são bem mais simples do que poderia parecer. Há, por parte dos cientistas sociais, uma tentativa hercúlea de se entender os acordos entre os agentes econômicos, coroando-se os contratos implícitos ou explícitos com todos os incentivos e restrições cabíveis, de forma a se obter o objetivo procurado para ambas as partes envolvidas, resumidamente o Agente e o Principal. Fazer funcionar um sistema de incentivos, estabelecendo contratos ideais, é a pedra de ônix que procuramos para que uma sociedade livre e equilibrada possa prosperar.

    O contrato ótimo seria aquele que atendesse aos objetivos do principal a um menor custo, dando para o agente o retorno tal que não lhe permita desviar-se da conduta esperada pelo principal. O agente teria também que respeitar certas restrições. Claro, quando há uma estrutura legal e instituições que funcionem a contento, os contratos são simples e facilmente executáveis. Quando , entretanto, a bagunça jurídica reina, maior a necessidade de se impor restrições; o que abre espaço tanto para o agente ou o principal buscarem atingir maiores lucros. Quem definir pior suas estratégias ou restrições, perde mais.

    Se imaginarmos que o nosso legislativo, representando o povo brasileiro – o principal - pode ter alguma influência sobre as estratégias do executivo, representando os pactos que moldaram a conduta de certos grupos políticos – o agente - poderíamos travar a dilapidação de nossas riquezas com um contrato social simples de ser executado.

    Assim, quero postular concretamente limites aos projetos que põem em risco nosso futuro. Falo especificamente dos projetos de energia (hidroelétricos e outros) que a turma industrial gostaria de espalhar Brasil afora. Pouco importa se vão prejudicar o Pantanal ou o Amazonas. O que importa é fazer um duto do Norte ou Centro-Oeste para o Sudeste.

    A pergunta simples seria a seguinte: o que ganham os moradores do norte ou centro-oeste com esses projetos? Pelo custo ambiental propalado, intuo que seria prejuízo certo, além da favelização de regiões que antes só existia a pobreza. Neste novo contexto, ter-se-ia pobreza e favela. Mas qual o contrato social que poderia resolver esse impasse? Simples. O Plebiscito.

    A proposta do blog Chutando a Lata seria a de que cada localidade deveria, através de plebiscito, votar pela efetivação do projeto, quando este envolvesse uma extensa região ou tivesse valor significativo que pudesse comprometer o orçamento do município ou do Estado. Quanto ao Pantanal, se os cidadão de Mato Grosso votarem pelas hidroelétricas na região, então o processo de regularização do projeto poderia prosseguir em seu tramite legal. O que não pode acontecer é a turma do sudeste decidir o que vai fazer em outras regiões do Brasil sem que os moradores locais o permitam. É como aparecesse um galo no meu galinheiro querendo, além de ciscar , dominar as minhas galinhas. Para que o pau não cante ou a corrupção corra frouxa, um acordo social tem que ser obtido. O Plebiscito sacramentaria tal acordo. Num mundo democrático é , através do Congresso Nacional, que poderemos colocar limites à degradação e à dilapidação de nossas regiões e recursos naturais. Se a democracia entre nós ainda respira, poderemos acordá-la dessa catatonia doentia de se preocupar com questões menores. Para os assuntos importantes não podemos deixar de opinar.

    Democracia já!

    PS: A boa coincidência existe, tanto quanto existem homens bons e honestos a rodo nesse país. Hoje, em sua coluna no Correio Braziliense, Rubem de Azevedo Lima, retoma o tema: Catástrofes anunciadas. Cita os projetos que podem colocar em risco a nossa segurança e os vastos ecossistemas que ainda existem aqui. São os projetos da Usina Nuclear em Angra e o da usina hidrelétrica de Belo Monte que inundará 500 km 2 do território paraense . Para que todos sejamos partícipes dessas loucuras, clama que Dilma deveria propor ao Congresso plebiscito para a efetivação desses projetos.

    ResponderExcluir
  4. Off Topic

    Convido os amigos a fazerem parte do site http://mensalao.ning.com/ que tem como objetivo conscientizar os público sobre os crimes do mesnalão. Contamos com sua participação e sugestões

    ResponderExcluir
  5. Há anos o Supremo Tribunal Federal tem um suas mãos o processo do mensalão, o maior esquema de corrupção já montado neste pais.

    O STF indiciou por unanimidade, 40 políticos ligados ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva. O Ministros indiciaram estes corruptos com base em provas levantadas pela Policia Federal, pelas Comissões Parlamentares Mistas de Inquérito e pela Procuradoria Geral da Republica.

    O caso está ficando esquecido. O PT montou um esquema bem montado para desacreditar os relatórios e provas levantados.

    Este caso não pode acabar em pizza como acontece tantas vezes em nosso Brasil. Dinheiro público foi desviado para beneficiar os detentores do poder.

    Não podemos permitir que este caso caia no esquecimento. Precisamos relembrar o povo dos acontecimentos.

    Lutamos com o que podemos, com nossos computadores e com a internet. Para isto criamos um site, Mensalão – Nunca antes na história deste pais - http://mensalao.ning.com/

    Convidamos os amigos a participar deste esforço se juntando a nós neste site.

    Contamos com a ajuda de todos os que querem ver um Brasil onde se valorizem os princípios de ética, honestidade e moral.

    ResponderExcluir