quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Tocando na Ferida


O mundo está de novo com um problema de comida. Estimativas indicam que a população mundial vai saltar dos atuais 6,8 bilhões para pouco mais de 9 bilhões em 2050, um aumento de cerca de um terço.

Mas a demanda por alimentos crescerá mais depressa, porque as pessoas nos países emergentes, na medida em que ganham renda, elevam seu consumo.

Assim, acredita-se que a demanda por comida vai aumentar algo como 70%.

E vai dobrar para a carne. Estatísticas mostram que há uma correlação direta entre o ganho de renda e o consumo de proteínas animais. Ou seja, o pessoal ganha um pouco de dinheiro e vai para o bife (ou hambúrguer etc.). Mas há obstáculos à produção de alimentos: escassez de terras novas (não se pode mais desmatar, por exemplo), restrições no uso da água, mudanças climáticas que podem prejudicar vastas extensões de terras e... biocombustíveis. Estes são uma coisa boa? Certamente. Mas competem com a produção de alimentos.

E então...

A preocupação dos líderes mundiais em Copenhague não está no caminho errado?

Essa histeria dos "ecochatos" e seu catastrofismo em cima de algo sem nenhuma base científica.

Aliás, pior, os cientistas dizem que o que ocorre com o clima é cíclico e a interferência do homem é muito pequena nesta sequencia natural de mudanças.

Apreocupação deveria estar voltada para outro caminho: A superpopulação da Terra.

Mas quando a gente toca na questão de "planejamento familiar", todo mundo se arrepia...

Já eu vos digo que é melhor falar em planejamento familiar o mais rápido possível, senão em breve partiremos para um Controle de Natalidade, aí acabam as escolhas, que poderiam ser planejadas.

Pensem, o Futuro já começou faz tempo, nós é que estamos atrazados. Não aguentaremos um Brasil com 400 milhões de pessoas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário