sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Infanticídio e outros crimes

Denúncia Gravíssima
Íntegra da matéria no Alerta Total

Infanticídio e outros crimes

Por Arlindo Montenegro

Os crimes relatados somam 68 em 2004, 98 em 2005 e é de pasmar: 665 em 2006! São dezenas de aldeias onde esta tradição é preservada e os crimes são cometidos com a complacência da FUNAI e do Conselho Indigenista Missionário, (CIMI) da CNBB aquele mesmo que é financiado pelo Conselho Mundial de Igrejas, através do Departamento do Desenvolvimento Internacional da Inglaterra.

Projeto HAKANI:
Toda criança tem direito à vida
As crianças indígenas fazem parte dos grupos mais marginalizados do mundo, por isso é urgente agir a nível mundial para proteger sua sobrevivência e direitos.

Hakani, enterrada viva. A história de uma sobrevivente

“Ela foi enterrada viva porque seu povo achava que ela não tinha alma. Foi desenterrada por seu irmão no último momento. Depois disso, foi obrigada a viver banida de sua tribo por três longos anos até que a enfermidade e a rejeição a levaram mais uma vez para à beira da morte…

Esta é a história de Hakani, uma das centenas de crianças destinadas a morrer a cada ano entre os mais de 200 povos indígenas brasileiros. Deficiência física ou mental, ser gêmeo ou trigêmeo, nascer de uma relação extra-conjugal – todas essas são consideradas razões válidas para se tirar a vida e de uma criança.

Um número crescente de indígenas estão se levantando para combater essa prática. Mas quando eles procuram ajuda de algumas autoridades brasileiras, eles ouvem que as leis nacionais e internacionais não se aplicam às suas crianças, e que preservar a cultura é mais importante que preservar vidas individuais. Essas atitudes vão claramente contra a Constituição Brasileira e contra a legislação internacional, que declaram que os direitos da criança jamais podem ser sacrificados pelo bem do grupo.

Apresentando sobreviventes do infanticídio, assim como aqueles que os resgataram, Hakani é um documentário dramático que conta a história verdadeira da jornada de uma menina em busca da liberdade e a luta de um povo para encontrar uma voz – uma voz pela vida.”

4 comentários:

  1. Stenio,

    A esquerdopata liderada por Lula et Caterva, não defende os direitos humanos? Não protege o Cezare Battisti?

    No Brasil estão todos soberbamente embriagados pelas vantagens imediatas do neosocialismo do Hugo Chaves, tendo Lula et caterva no Brasil para sua expansão. O Brasil está de ¨quatro¨diante investidas do Hugo Chaves.

    E nós? Somos apenas mais um detalhe. Essas crianças são o sangue de que necessitam esses vampiros, para aplacarem às suas frustrações.

    Que Deus proteja a todos inocentes!

    Att. Madeiro

    ResponderExcluir
  2. Stenio,

    A esquerdopata liderada por Lula et Caterva, não defende os direitos humanos? Não protege o Cezare Battisti?

    No Brasil estão todos soberbamente embriagados pelas vantagens imediatas do neosocialismo do Hugo Chaves, tendo Lula et caterva no Brasil para sua expansão. O Brasil está de ¨quatro¨diante investidas do Hugo Chaves.

    E nós? Somos apenas mais um detalhe. Essas crianças são o sangue de que necessitam esses vampiros, para aplacarem às suas frustrações.

    Que Deus proteja a todos inocentes!

    Att. Madeiro

    ResponderExcluir
  3. Rejane, este documentário deveria ser mais divulgado no Brasil. O filme, obviamente, foi dramatizado por indígenas que não concordam com o que é feito com as crianças. Mas a Funai, realmente, quer que indios vivam como animais. Mesmo os que receberam aquela imensa quantidade de terra da Raposa, vivem subjugados pelos seus "líderes", que tudo podem, vida ou morte.

    ResponderExcluir