terça-feira, 18 de agosto de 2009

LINA X DILMA : O histórico de mentiras é de quem?



BRASÍLIA - Em uma sessão marcada pelo tom agressivo dos senadores governistas e pela antecipação da disputa eleitoral, a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira compareceu nesta terça-feira, 18, à Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), onde confirmou o suposto pedido da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, para que agilizasse uma investigação acerca das empresas da família Sarney.

Pressionada diversas vezes a revelar detalhes sobre as circunstâncias nas quais o encontro teria ocorrido, Lina disse não se lembrar o dia exato, mas manteve a versão de que teria interpretado o pedido de Dilma como incabível.

Apesar da insinuação de alguns senadores, a ex-secretária insistiu que não tomou a iniciativa de informar ao jornal Folha de São Paulo sobre o pedido de Dilma em relação à investigação sobre as situação fiscal de Fernando Sarney. Segundo ela, o repórter que a procurou já tinha a informação e queria apenas a sua confirmação. Ela repetiu que não se sentiu pressionada com o pedido da ministra, mas interpretou como sendo uma solicitação para resolver as pendências e encerrar a fiscalização.

Lina disse também que antes do pedido da ministra Dilma, a Receita recebeu solicitação do Judiciário para que agilizasse a fiscalização e que a Receita já estava cumprindo este pedido. Ela disse que o número de fiscais envolvidos no processo não era suficiente e que, por isso, o próprio judiciário reiterou o seu pedido de agilidade.

O senador Agripino Maria (DEM-RN) disse ser estranho uma autoridade do governo ter chamado de forma inédita a secretária da Receita para tratar de assuntos políticos, já que a própria justiça já havia pedido celeridade. Agripino perguntou a Lina por que Dilma teria feito aquele pedido. "Eu não posso responder pela ministra. Na fiscalização, a Receita trabalha com critério subjetivos e impessoais".

Sobre o registro do encontro com a ministra, Lina foi enfática. "O encontro não constou das agendas oficiais", disse, para depois acrescentar que não considera a agenda uma prova do encontro.

Lina reafirmou que esteve sozinha com Dilma na sala, mas lembrou que passou por outros lugares no Palácio do Planalto antes de chegar ao gabinete da ministra da Casa Civil. Para ela, o Planalto deve ter algum registro de sua passagem pelo local. Ainda segundo a ex-secretária da Receita, apenas sua secretária teria sido informada sobre sua ida à Casa Civil.

Juízo de valor

Em vários momentos, a ex-secretária também questionou por que a ministra Dilma estaria negando o encontro entre as duas. Ela evitou, porém, fazer juízo de valor sobre o suposto pedido da ministra. Disse que não comentou com ninguém sobre o encontro, porque considerou que não havia necessidade.

Lina voltou a lembrar que se identificou na portaria do Palácio do Planalto, passou pelo detector de metal, subiu de elevador até o quarto andar, foi colocada em uma sala de espera com mais duas pessoas, onde lhe serviram água e café e que depois foi recebida rapidamente por Dilma. "Por que eu iria criar esse encontro?", perguntou.

Método de fiscalização

A ex-secretária disse que assim que assumiu o cargo, mudou o foco da fiscalização. Para ela, a fiscalização era superficial e de quantidade. Ela informou que após assumir o cargo de secretária da Receita, a fiscalização passou a ser focada na qualidade e nos grandes contribuintes, ponto apontado por seus colaboradores como um dos principais fatores que levaram a sua demissão.

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) criticou também a atuação dos senadores da base governista, o que classificou como extensão da censura que está se instalando no País. Os senadores Renan Calheiros, Romero Jucá e Aloizio Mercante argumentaram, no início da sessão, que a CCJ não era o foro adequado para ouvir a ex-secretária. Tasso disse que depois que o juiz Dácio Vieira censurou o jornal O Estado de S.Paulo, agora os senadores do governo tentam impedir que o Senado ouça depoimentos "importantíssimos" do que acontece nos bastidores do poder.


Estadão


Governo desacredita Lina e oposição lamenta agressividade

Tasso afirma que ex-secretária da Receita foi hostilizada no Senado e Salgado diz que ela mentiu

BRASÍLIA - Previsivelmente, oposição e governo adotaram posturas opostas em relação ao depoimento de Lina Vieira, nesta terça-feira, 18, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Para Tasso Jereissati (PSDB-CE), governistas foram hostis e agressivos com a ex-secretária da Receita Federal. Já para Wellington Salgado (PMDB-MG), Lina mentiu ao afirma que a ministra Dilma Rousseff a procurou para pedir que agilizasse as investigações em torno de Fernando Sarney.

Ao se referir ao fato de que a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, nega ter se encontrado com Lina para lhe pedir pressa no processo contra o filho do senador José Sarney, Tasso lembrou que Dilma já esteve envolvida em outros episódios nos últimos meses, como o da criação de um dossiê sobre gastos do governo Fernando Henrique Cardoso e das reuniões com o compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em nome da Varig. Tasso disse que em todos esses momentos Dilma negou categoricamente essas informações, mas que depois voltou atrás.

O senador tucano disse que é preciso aprofundar as investigações sobre esse episódio do encontro de Lina com Dilma "A ministra Dilma, nos últimos meses, foi acusada constantemente por faltar a verdade. Acho que ela deveria prestar esclarecimento à CCJ", defendeu Tasso.

Por fim, Tasso criticou também a atuação dos senadores da base governista, no início da sessão, o que classificou como extensão da censura que está se instalando no País. Os senadores Renan Calheiros, Romero Jucá e Aloizio Mercante argumentaram, no início da sessão, que a CCJ não era o foro adequado para ouvir a ex-secretária. Tasso disse que depois que o juiz Dácio Vieira censurou o jornal O Estado de S.Paulo, agora os senadores do governo tentam impedir que a Casa ouça depoimentos "importantíssimos" do que acontece nos bastidores do poder.

'Lina mentiu'

O senador Wellington Salgado (PMDB-MG) disse ter saído convencido do depoimento da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de que a ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, mentiu, ao afirmar que a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, se encontrou com ela para pedir pressa no processo da Receita que envolvia o filho do senador José Sarney.

"Como é que alguém tem um encontro e não sabe o dia e a hora, não anota na agenda?", questionou. Segundo Salgado, um simples login para saber o horário em que Lina fez a consulta sobre o processo do filho do senador, mostraria a data e a hora. "Estou do lado da ministra Dilma", afirmou o senador peemedebista.

Salgado disse que no que depender dele não será votado um requerimento de convocação para que a ministra Dilma também deponha na comissão. "Na minha convicção, esse encontro jamais aconteceu", afirmou Salgado. Ao ser questionado por que Lina teria, então, inventado esse encontro, Salgado respondeu que não pode julgar, porque não consegue entender as mulheres.


Estadão


Cabe ao bom senso e ao juízo crítico do leitor em perceber que a Ministra Dilma mentiu outra vez, e vai mentir quantas vezes for necessário para o PT e seu projeto de poder.

O Histórico da Dilma sim é uma FARSA!

Ella¹³ é mitômana!


Nenhum comentário:

Postar um comentário